Olá seres estranhos que entram em meu blog !

Isso aqui é uma forma que eu encontrei de por pra fora tudo (ou quase tudo) que se passa dentro dessa minha pequena grande cabecinha (que eu só não esqueço por aí porque está grudada pelo pescoço) . Ás vezes posto textos longos, ás vezes uma simples foto com legenda , tudo depende do meu humor e da minha vontade de escrever .

E a propósito (por mais que pareça, as vezes) eu não sou bipolar . (:


*Desde 05 de julho de 2010

Páginas

domingo, 26 de dezembro de 2010




All we need is love ? No, it is what the other people need . All I need are you .

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010



" Your love is my drug ! "

Fizeram a gente acreditar

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja , e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade .
Não contaram que já nascemos inteiros , que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas responsabilidade de completar o que nos falta : a gente cresce através da gente mesmo . Se estivermos em boa companhia , é só mais agradável .
Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada " dois em um " : duas pessoas pensando igual , agindo igual , que era isso que funcionava .
Não nos contaram que isso tem nome : anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável .
Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos .
Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados , que os que transam pouco são caretas , que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto . Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto .
Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz , a mesma para todos , e os que escapam dela estão condenados à marginalidade . Não nos contaram que estas fórmulas dão errado , frustram as pessoas , são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas .
Ah , também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente . Cada um vai ter que descobrir sozinho . E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo , vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém . "


John Lennon

domingo, 19 de dezembro de 2010

Ela podia muito bem deixar de sofrer por ele.

 Mas não. Ela não queria esquecê-lo. Então continuava ali, tomando seu café forte e choramingando por ele pelos cantos da casa.

" Não fique triste assim, não vale a pena . Erros e acertos são filhos do mesmo pai . "

sábado, 18 de dezembro de 2010

domingo, 28 de novembro de 2010

Diálogo final .


- É tudo que tem a me dizer? - pergunta ele.
- É - responde ela.
- Você disse tão pouco.
- Disse o que tinha pra dizer.
- Sempre se pode dizer mais alguma coisa.
- Que coisa?
- Sei lá. Alguma coisa.
- Você queria que eu repetisse?
- Não. Queria outra coisa.
- Que coisa é outra coisa?
- Não sei. Você devia saber.
- Por que eu devia saber o que você não sabe?
- Qualquer pessoa sabe mais alguma coisa que outro não sabe.
- Eu só sei o que eu sei.
- Então não vai mesmo me dizer mais nada?
- Mais nada.
- Se você quisessse...
- Quisessse o quê?
- Dizer o que você não tem para me dizer. Dizer o que não sabe, o que eu queria ouvir de você. Em amor é o que há de mais importante: o que a gente não sabe.
- Mas tudo acabou entre nós.
- Pois isso é o mais importante de tudo: o que acabou. Você não me diz mais nada sobre o que acabou? Seria uma forma de continuarmos.

                                                                                  Carlos Drummond de Andrade . 

Desabafo .

Rebeldes . Então vocês se acham adolescentes rebeldes por pintarem seus cabelos de verde , usarem calças laranjas , responderem seus pais , encherem seus corpos de piercings ? Acham que rebeldia é não estudar , tirar 3,0 em matemática, matar aula e virar a madrugada no orkut , twitter e msn ? Acham mesmo que isso é ser rebelde ? Assistir malhação e pânico , sair para encher a cara no final de semana , ouvir música alta ( e chata ! ) dentro do ônibus , falar alto e querer chamar a atenção dos outros para você ? Não , isso não é ser rebelde . Isso é ser fútil . FÚTIL . Imprestável . Um idiota . Um panaca retardado que só pensa em roupas de marca , seriados e filmes inúteis . mulheres gostosas e homens sarados . É um boneco tonto e sem senso crítico . Uma obra perfeita para deixar esses governantes corruptos no poder .
Procurem na internet como era os jovens da década de 80 . Aí sim vocês vão ver o que são jovens rebeldes de verdade . Jovens que se revoltavam com coisas que eram realmente relevantes, como a forma de governar dos políticos ou a miséria do Brasil e não com coisas do tipo : " Minha mãe não deixou eu ir pra balada esse final de semana " ou " Ele me bloqueou no msn ! "     ¬¬'
Juventude hipócrita , podre , sem fundamentos ! Vontade de soltar uma bomba em todos . TODOS . Fúteis , inúteis , burros .
Vocês são todos uns merdas . Um bando de bundões mesquinhos .
Uma pena . Realmente uma pena . Vocês poderiam mudar o mundo se quissessem . Mas não . Estão ocupados demais postando em seus twitters .
Parabéns !
                          Estúpidos .
                                                                ¬¬ '

terça-feira, 2 de novembro de 2010

É o Bonde da Be Happy ! (8)

Sábado fiz um bate-volta no SESC Bertioga . Estava um dia frio, de chuva, mas ainda assim foi gostoso . aaaaah, que saudade que eu passei . Cada cantinho uma saudade . Da piscina ao ginásio . Do refeitório ao espaço jovem . Quantas lembranças , quanto carinho , quantas risadas , quantas brisas , quantas musicas inventadas , quantas noites viradas , quantas brincadeiras de criança , quantas zueiras , quantas . . .
Quem não se lembra do tombo do Léo na quadra, da geente brincando de passar debaixo das pernas na piscinas , das dedadas , do "Aquiles-Chileno-Vassilis" , do "Eae Joe? Beleza?" "aaaaah, sei lá vei' " "Joe, vamo pra piscina?" "aaaah, sei lá vei' " , das musicas inventadas , do NOSSO lual de todas as noites , do Daniel que não largava aquele celular de jeito NENHUM , das invasões ao parque aquático infantil , de mim cantando inglês tudo errado , do Léo jogando água babada dentro da boca do Lucas (ou deveria dizer Limão ? HAHA) , do Gabriel imitando o Victor , da gente assistindo "Os normais 2" e expulssando as criancinhas respondonas ? Quem fez parte da BE HAPPY e não lembra desses momentos ?
Siim, aqueles 4 ou 5 dias no começo de fevereiro foram muito pouco tempo . Mas foram eternos . E tenho certeza que não só para mim .

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Duda

Duda havia mudado totalmente de vida nessa semana . Começou a cursar publicidade em uma universidade da capital paulista e e resolveu sair da casa de seus pais . Sempre sonhara com este dia . Desde seus 10 anos vinha juntando dinheiro para conseguir sua independência no mais breve  tempo possível . 
Seus pais não aceitaram muito bem a ideia de ela sair do conforto da casa deles na grande São Paulo para ir viver com mais duas ou três meninas em um apartamento no centro velho paulistano. Mas não tinha como impedi-la.Duda exalava felicidade ao falar de seu apartamento.  E seus olhos? Ah, como brilhavam ao falar do tal apartamento. Seus pais realmente não tinham como impedi-la. Eles não conseguiriam.
Duda sempre fora muito focada em seus desejos. Se quisesse muito algo não mediria esforços para conseguir o desejado. E agora estava lá, realizando mais um sonho. Era um apartamento esquisito, velho, pequeno, 4 cômodos: sala. cozinha, 2 quartos. O banheiro era minúsculo, tinha uns azulejos escuros e alguns estavam quebrado, sem contar o teto, que estava com infiltração. Os outros cômodos também não eram lá aquelas coisas. 
O apartamento estava praticamente nu. Tudo que havia em seu quarto  na casa de seus pais Paula levou: na sala deixou seus 2 puf e a pequena TV de 14' ficou no chão. Em um dos quartos fixou sua cama e seu guarda-roupa. O desastre mesmo era a cozinha: exceto o fogão, que era embutido, não havia mais praticamente nada lá. Duda só tinha uma cafeteira que sua mãe a deixou levar e sua caneca. Mas era isso. Não tinha um prato, um talher, um copo, nada. Absolutamente nada. Mas ela não ligava. "Amanhã, quando as meninas chegassem a gente faz alguma coisa. E também, as coisas vão se resolvendo com o tempo", pensava ela.
Agora, 2:40 da manhã, Duda encontrava-se na sacadinha (apertada) da sala, apoiada na mureta, observando a cidade. Viu passar um grupo de jovens baladeiros bêbados e um mendigo maluco. Quando a cafeteira apitou ela entrou, pegou o isqueiro e uma caixa de cigarros em sua bolsa, encheu o caneco com café e voltou para a sacada. Gostava de observar São Paulo. As luzes, os carros, as pessoas...
Quando acabou o cigarro e seu café esfriou, Duda tomou uma ducha quente. vestiu uma camiseta velha e dormiu.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Fala sério !

A quem Duda estava querendo enganar ? Ela mesma não sabia o que queria . Sentia que seu amor por Marcos estava se desgastando . Ela gostava e MUITO dele mas aquele reencontro inesperado com Gabriel havia mexido com ela . Como estava confusa ! Não sabia o que fazer . E não sabia com quem falar . Sua famíli não sabia de seu namoro e a opinoão de sua melhor amiga era suspeita , já que esta última NUNCA se deu bem com Marcos . Só lhe restava ela mesma . Ela seus pensamentos e suas incertezas .

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Adeus, Baby .

-Você não pode estar falando sério, Gilherme ! - Disse Duda, indignada .
-Ah, eu estou . Pode ter certeza disso !
-Isso é ridículo ! NUNCA vi um ciúmes mais besta que esse seu ! Como eu vou te provar que eu não falo mais com o Bruno ?
-Isso quem tem que me dizer é você . - Duda realmente não estava acreditando que estava ouvindo aquilo. Gilherme era um tonto !
-Olha, isso não faz sentido algum ! O que você está fazendo é ridículo, ridículo !
-Não adianta, Duda . Eu não vou mais acreditar em você . Se você realmente me ama vai dar um jeito de me provar que não fala mais com aquele garoto .
-Eu não vou fazer isso . Até porque,  se você gostasse de mim de verdade, confiaria em mim e em minha palavra . Quer saber ? Eu não vou continuar com um garoto que não confia em mim . Adeus Ghilherme.
-Como é que é ? Você está terminando comigo só porque eu te pedi uma prova de amor ?
-Isso não é uma prova de amor Gui . É uma prova do quanto você é idiota, infantil e não merece o que eu sinto por você .
Duda encarou-o firme e depois foi embora . Ele tentou falar com ela mas não adiantou . Ela simplesmente o ignorou .

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O triste fim de Gabriel .

- Obrigada por me enganar , Maria Eduarda !
- Eu não te enganei , Gabriel . Foi real . Eu gostei de verdade de você . Mas o sentimento mudou .
- Ah , o sentimento mudou assim , de uma hora para outra , sem mais nem menos ? !
- É, Gabriel . Sei lá , eu já não me sinto tão bem ao estar contigo .
- Você realmente espera que eu acredite nesse conto de carochinha ? ! FALE LOGO A VERDADE , MDUDA ! Diga que você está afim do Rodrigo !
- O que ? Eu ? Afim do Rodrigo ? Você só pode estar de brincadeira .
- Não , eu não estou . Você sempre foi apaixonada por ele , não é ? ! Essa história de " somos só bons amigos " é pura fachada , eu já sabia , sem contar que . . .
- PARA GABRIEL , PARA ! Eu realmente não sou obrigada a ficar ouvindo alguém que nem você , um cara que só pisou em mim a vida inteira , dizendo isso sobre eu e o Rodrigo ! Aliás , eu nem sei porque eu não terminei com você antes . . . Pura ilusão pensar que você mudaria por mim ou por qualquer outra . . . - Gabriel ficou indignado com o que acabara de ouvir mas não conseguiu dizer nada . Ele percebeu que havia perdido Duda e , talvez ,  para sempre . Ele percebeu o quanto gostava dela e mais do que isso , ele percebeu o quanto precisava dela , e se arrependeu . Se arrependeu de tudo de mau que havia feito pra ela . De todas as vezes que a deixou e foi sair com os amigos , de todas as vezes a fez chorar , de todos os seus ataques de ciúmes . . . Naquele exato momento havia percebido quanto Duda era importante em sua vida . Mas já era tarde . Toda aquela raiva havia sumido de seu olhar . Ele baixou a cabeça .
Ela sentiu compaixão . Não queria que tudo terminasse assim, em briga . Falou então, mansamente .
- Não dá mais Gabriel . Eu já sofri demais por gostar de você . Não posso mais . Adeus .
Então ela beijou-lhe a testa , levantou-se e saiu andando sem olhar para trás . Ele continuou ali, paralisado , tentando não chorar e pensando em tudo que poderia ter feito por ela e não fez .

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Sufocada

Angustiada. Sozinha. Era assim que Duda se encontrava. Sua mãe a tratava como se ela não existisse. Seu namoro tinha acabado. Estava perdida. Chorata todas as noites em silêncio, no seu quarto. Mas ninguém ´percebia. Ela sabia disfarçar- e muito bem por sinal. Sorria, dava risada, fazia piada. Quem a olhá-va jamais diria que ela não estava bem.
Mas ela não estava.
Ela só disfarçava.
Só isso.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Amor - Leminski

"Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima."

Pensar e se organizar faz bem. :)

Este fim de semana foi bom- apesar de tudo. Finalmente arrumei um tempo (e coragem) para deixar meu quarto e parte da minha vida em ordem. Resultado? 07 tubos de caneta jogadas fora, 04 embalagens vazias de desodorantes, 02 vidros de perfume, 1 kg (sim, eu pesei) de papel para reciclagem, muuuuuuuuuittas lágrimas escorridas, vários pensamentos repensados, inúmeras atitudes revistas e alguns ideais mudados.
Mudei um pouco. Amadureci em alguns pontos. Comecei a valorizar coisas que antes julgava sem importância. Descobri um amigo verdadeiro, alguém com quem eu possa contar mais do que eu imaginava (sim, eu estou falando de você, Victor Edler). Quebrei a casca do meu ovo. Assim como alguns animais na natureza, "troquei de pele". Minha forma de pensar mudou em alguns aspectos. E dei a tal geral em meu quarto -que venho prometendo realizar desde antes das férias. Observei um pouco e percebi que meu quarto revela exatamente quem eu sou, como me sinto e como ajo. Minha mente não estava em paz até agora. Por isso não conseguia organizar meu quarto anteriormente. Sinto-me como um cavalo depois de tirada a sua viseira. Visão ampla. Campo aberto. Cova fechada (e melhor, sem eu estar dentro dela). Estou rasoavelmente bem. Diante das circuntâncias em que me encontrava na sexta à noite, até que estou bem. E creio que as coisas vão melhorar.
Estou voltando a falar com a minah mãe. Estou respirando. Estou pensando. Estou observando. Estou aceitando. E estou fazendo o que Ele me pediu: dando tempo ao tempo.

sábado, 21 de agosto de 2010

Game Over

-Lucas, nós temos que conversar - Disse Duda . - Acho que não dá mais para nós dois.
-Não Duda . Você não pode fazer isso comigo. Você prometeu ...
-Eu sei tudo o que lhe prometi, Lucas . Mas estou cada vez mais confusa . Não sei o que eu quero . Eu gosto muito de você . Sem clichês, eu te amo como jamais amei alguém . Você me faz bem como mais ninguém faz . Mas não dá mais . Eu ...
-Não dá por quê ? Nós nos amanos, nos damos bem e estamos juntos tanto tempo ...
-Lucas, você lembra o que me disse quando voltamos a ficar ? "Eu vou mudar Duda . Vou mudar por você . Eu prometo ." E cadê a mudança ?
-O que você quer que eu faça ?
-O que você prometeu . Eu tinha tantos planos pra você, Lucas... Tantos planos pra nós dois ... Mas já não dá mais . Acabou .
-Não, Duda, não ! Eu preciso de você ! Você não pode me deixar assim . Você me ama . Sabe disso . Eu te amo . Você sabe disso também .
-Lucas, não deixe as coisas mais difíceis pra mim . Você não sabe o quanto me dói ter que fazer isso .
-Então não faça, Duda . Continue comigo .
-Não dá, Lucas, não dá . As coisas não podem continuar assim .
-Me dê mais uma chance . Prometo que desta vez valehrá a pena . Será diferente .
-Mais una chance ? Não, não posso . Já te dei milhares de chances . E você sempre fez à mesma coisa . Estou desistindo, Lucas . Mas não por não mais te amar . Mas por não poder continuar assim .
Duda levantou-se, secou a lágrima em seu rosto e continuou a andar .

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

“Nobody say:

‘It was easy.’ ”
But nobody tell that will be so difficult.
And I can see that now.

Indecisão .

Agora mesmo eu seria capaz de escrever um texto gigaaante contando de forma implícita como estou me sentindo. Mas eu não vou fazer isso para não me sentir pior. Já estou mal, REALMENTE eu não preciso ficar pior.
caaaaara, não vai ser fácil fazer isso.  E eu nem sei se EU quero fazer isso.( E eu sei  que eu não quero fazer isso). Encontro-me tão confusa que não quero mais escrever, pensar ou chorar. Quero apenas dormir. E tentar não sonhas com isso.
Só isso que eu quero.
Só isso.

domingo, 15 de agosto de 2010

Fugir.

De tudo e todos. Era esse o desejo de Duda naquele momento. Não queria conversar sua melhor amiga, não queria ver seu namorado, não queria comer, beber, sair, chorar, nada. Não queria nada. Apenas fugir. Ficar sozinha. Refugiar-se em algum lugar no qual ela se sentisse segura.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Receita de choro

Ouço algo que não me agrada. Fico mal. Forço o choro.
Nada.
Forço o choro de novo.
Nada.
Ainda tento mais uma vez.
Nada.
Faço caretas para a lárima sair.
Depois de muito enforço, sinto algo molhado começar a escorrer de um de meus olhos. Ao chegar em minha boca, sinto o tal gostinho salgado que venho tentando forçar a saia a algum tempo. Uma lágrima. Com o passar dos segundos e o morder dos meus lábios, outras começar a sair. Meu nariz começa a fungar. Não consigo mais forçar. As lagrimas param de escorrer. A útima seca rapidamente. Sinto uma pequena pontada em minha cabeça. Brevemente ela está latejando. Meus olhos secos. Ardendo.
Recupero meu lado racional.
Chego em casa.
Deito em minha cama.
Durmo.
Fim de mais um dia.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

O que fazer ? II

Eram 05:00 em ponto quando Ana chegou na praça. Roberto já a esperava. Ana sentiu-se mole, sem saber como chegar até ele. Era sempre assim. Ela nunca sabia o que fazer perto dele. Sentia-se nervosa. Até um pouco timida. Antes que chegasse até Roberto, ele abriu um sorriso, levantou-se e caminhou rapidamente, quase correndo, em sua direção. Ao chegar, abraçou-a com força e paixão. Ana chegou até a esquecer, por um instante, tudo o que já passara por culpa ele. Por um instante ? Não, Ana esquecia disso sempre que estava com Roberto. Ele a fazia bem como mais ninguém. Ela sentia-se TÃO feliz com ele ao seu lado que parecia que o mundo parava quando estavam juntos. "Que boba eu. Como posso, por um segundo sequer, pensar que ele não mudou ? Posso ver em seus olhos a mudança. Posso sentir em seu toque a mudança. Posso ver em seu sorriso a mudança. Posso sentir em seus lábios a mudança", pensava ela.
-Anda, vem comigo. Quero te levar a um lugar. -Disse Roberto. Ambos entraram no carro dele, que dirigiu até um campo aberto. Lá eles permaneceram, observando o por do sol. Até que, certa hora, Roberto olhou nos olhos de Ana de um jeito que nunca olhara antes, durante todo o tempo em que se conheciam.
-Ana, namora comigo ? -Perguntou ele. Ela assutou-se. Não acreditava que aquilo realmente estava acontecendo com ela. Esperara tanto por aquele momento. Ensaiara tantas vezes em frente ao espelho o que faria quando aquele momento chegasse. E agora que ele finalmente chegara não sabia o que fazer. Sabia que se respondesse "não", além de magoar Roberto, iria estar jogando fora o sonho de toda sua vida. Mas não sabia se deveria responder "sim". Não estava segura disso. Sabia o quanto gostava dele, mas também sabia tudo o que ele fizera. Sentiu o desespero em seu olhar. Viu a incerteza no olhar de Roberto mediante a sua reação. Ele respirou fundo. Abaixou a cebeça. -Ana, eu sei que já errei com você. Mas prometo que dessa vez será diferente. Eu mudei Ana. Agora eu tenho certeza de que é você quem eu realmente gosdo e de que é com você que eu quero ficar até o fim. Por favor me perdoe. -Era possível ver o sentimentalismo suplicante de Roberto no tom de sua voz. Mas ainda assim Ana sentiu-se confusa.
Então começou a correr. E Roberto foi atrás dela. E então, lá estavam eles, correndo, correndo...

quarta-feira, 21 de julho de 2010

O que fazer ?

Ah, como Ana estava confusa. Ela não sabia o que fazer. Queria ( e muito) continuar com Roberto, mas não sabia se deveria. TODOS eu que ela confiava disseram-lhe que merecia alguém melhor. Ele não era o cara ideal para ela. Galinha, cafajeste, mentiroso... O problema é que Ana gostava muito de Roberto e, por isso, não o deixava. Será mesmo que valeria a pena ir contra tudo e todos por ele ? Ana o conhecia a muito tempo. Sabiaque ele tinha relacionamentos instáveis. Mas, lá no fundo, sentia, sabe-se lá o porquê, que com ela seria diferente. Que dessa vez seria diferente. E ainda assim tinha dúvidas. Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas... E vivia a pensar. Pensar, pensar e pensar...

segunda-feira, 12 de julho de 2010

O taxi

Era de noite. Mariana estava voltando da casa de Paula, sua melhor amiga. Seus pais foram buscá-la .O sinal fechou assim que ela abrira a janela. Seu carro parou. O taxi parou ao lado. Um cara, que aparentava ter uns vinte e poucos anos, estava com a cabeça abaixada nas costas das mãos que, por sua vez, estavam apoidas banco da frente. Ele a encarou. Ela o encarou. Olharam-se por eternos dois segundos, cada um preso em seus pensamentos. "Fecha essa janela, menina! Esqueceu que é noite? São Paulo não é uma cidade muito segura pra andar por aí com a janela aberta a essas horas, não!". Sua mãe interrompera seus pensamentos. Mariana subiu o vidro do carro sem pensar muito. Pelo canto do olho ela aina podia vê-lo. Ele continuava a olhá-la. O sinal abriu. O pai de Mariana saiu em disparada. Ela deitou no banco de trás do carro e dormiu.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Felicidade é um fim de tarde olhando o mar e a gravidade não te impede de voar !
Perto de toda a positividade a onda boa se propaga no ar. (8)

terça-feira, 6 de julho de 2010

aaaaaaaaah, que beleza !

... Acordar de manhã, abrir a janela e ver o sol inundando meu jardim ...
Ligar o rádio, ouvir Djavan, tomar café e ver o sol inundando meu jardim ...
Abrir a porta, sair na varanda, sentir a brisa, ouvir Djavan e ver o sol inundando meu jardim ...
Admirar o sabiá em cima do muro, sentir a brisa, ouvir Djavan e ver o sol inundando meu jardim ...
Observar a borboleta laranja brincando entre as primaveras vermelhas, ouvir Djavan e ver o sol inundando meu jardim ...
aaaaaaaaaaah, que beleza que é isso !
aaaaaaaaaaah, que beleza é a vida !

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A lista

Faça uma lista de grandes amigos que você mais via a dez anos atrás.
Quantos você ainda vê todo dia ? Quantos você já não encontra mais ?
Faça uma lista dos sonhos que tinha.... Quanto você desistiu de sonhar ?
Quantos amores jurados pra sempre... Quantos você conseguiu preservar ?
Onde você ainda se reconhece: na foto passada ou no espelho de agora ?
Hoje é do jeito que achou que seria ?
Quantos amigos você jogou fora ?
Quantos mistérios que você sondava... Quantos você conseguiu entender ?
Quantos segredos que você guardava hoje são bobos, ninguém quer saber ?
Quantas mentiras você condenava... Quantas você teve que cometer ?
Quantos defeitos sanados com o tempo eram o melhor que havia em você ?
Quantas canções que você não cantava hoje assobia pra sobreviver ?
Quantas pessoas que você amava hoje acredita que amam você ?
-Oswaldo Montenegro.

E se eu quiser...

E se eu quiser viver uma ilusão ?
E se eu quiser sair correndo em direção ao nada ?
E se eu quiser tocar um violão com os amigos na praia ?
E se eu quiser fazer teatro e dane-se a merda do dinheiro ?
E se eu quiser amar ele sem me preocupar com o que ele sente por mim ?
E se eu quiser tomar um vento na cara as três horas da manhã no carro com uns amigos ?
E se eu quiser invadir um parquinho infantil com vinte anos ?
E se eu quiser apreciar a beleza das coisas mais simples ?
E se eu quiser pular na piscina com roupa e tudo ?
E se eu quiser um ombro amigo pra desabafar ?
E se eu quiser tomar chuva com ele ?
E se eu quiser sentir a natureza ?
E se eu quiser ser feliz ?
E se eu quiser ?